31 de maio de 2009

Um governo que transforma quartéis em barris de pólvora

Militares não podem andar fardados pelas ruas que já são interpelados sobre a atitude que tomará o Exército.

Artur Bernardes tomou posse em novembro de 1922 sob estado de sítio, provocado pela Revolução dos Tenentes em Copacabana, e que se estenderia por quase todo o seu mandato. Sua candidatura fora proposta pelos estados politicamente dominantes, São Paulo e Minas Gerais. A oposição, aglutinada na Reação Republicana, expressão das oligarquias do Rio Grande do Sul, Rio de Janeiro, Bahia e Pernambuco, apresentara Nilo Peçanha como candidato à presidência, mas fora derrotada em eleições fraudulentas. arturbernardes

Entretanto, alguma coisa mudara na República Velha. Os antigos esquemas da política dos governadores e do império dos coronéis mostravam sinais de fraqueza. As cidades haviam criado novos personagens que começavam a atuar no cenário nacional: as classes médias, que se ocupavam no funcionalismo público civil ou militar, no clero, nas profissões liberais e no comércio.

A estrutura política brasileira nesse período se caracterizava pelo domínio das oligarquias agrárias, aliadas sob a hegemonia dos cafeicultores. Essas oligarquias nomeavam seus representantes políticos e não estavam isentas de conflitos entre si. Nas cidades, a massa eleitoral das classes médias era requisitada para tomar partido entre as facções oligárquicas, em troca de alguma representatividade política. Além de defender a oligarquia da qual era porta-voz, o político propunha, por exemplo, aumento para o funcionalismo público.

Fazendo um governo autoritário, Artur Bernardes tirou do poder as oligarquias descontentes, decretando intervenção no Rio de Janeiro e na Bahia. No Rio, o governador Raul Fernandes, simpático à oligarquia oposicionista de Nilo Peçanha, foi substituído pelo interventor Aureliano Leal. A população urbana, fiel aos apelos populares de Nilo Peçanha, foi amordaçada pela censura à imprensa e ameaçada pela suspensão das liberdades civis, o que deu ensejo a prisões por motivos políticos.

Recrutada nas classes médias, a baixa oficialidade do Exército, tenentes cuja ascensão social seria determinada pela carreira, tinha razões para se mostrar descontente, A insatisfação diante do papel atribuído pelo governo oligárquico à corporação militar gerou conspirações, que explodiriam durante o governo Artur Bernardes.

Fonte de pesquisa: Nosso Século, Abril Cultural, 1980.

Blog Widget by LinkWithin

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe aqui seu recado.

Recomendo

  • Projeto Valença Troca Livros - Aguardem! Em novembro! Vem aí o *"Projeto Valença Troca Livros"* Sem custo algum, apenas doação, amor. Já tenho alguns livros *livros* para serem trocados...
    Há 6 dias
  • - Cheiro de Goiaba - Mais uma participação da escritora, historiadora *Urda Alice Klueger, *Comentando o seu primeiro dia de aula, na Rua da Glória antiga Escola São José, e q...
    Há 2 semanas
  • - Noite da Família no Clã! No sábado a noite (13/05) foi realizado uma noite super especial com todas as Mães e familiares do Clã, onde rolou bolos e salgad...
    Há 5 meses
  • -

Arquivo do Blog