16 de outubro de 2010

Um novo olhar sobre a carne suína

Quem passou pelo estande do Sebrae/SC e da Associação Catarinense de Criadores de Suínosd(ACCS), durante a feira ACATS (Associação Catarinense de Supermercados), realizada nesta semana, nos pavilhões do Parque de Exposições Tancredo de Almeida Neves, em Chapecó, teve a oportunidade de degustar diferentes receitas à base de carne suína, preparadas pelo chef de cozinha, Daniel Furtado. Furtado é responsável pelos cortes diferenciados de carne suína que estão entrando no mercado e trabalha há cinco anos para a Associação Brasileira de Criadores de Carne Suína (ABCS).

A degustação de carne suína no estande é uma ação da campanha “Um novo olhar sobre a carne suína”, que faz parte do Projeto Nacional de Desenvolvimento da Suinocultura (PNDS), criado neste ano pela ABCS, Sebrae e Confederação Nacional de Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA). Em Santa Catarina, o projeto é de responsabilidade da ACCS e do Sebrae/SC.

Mesmo sendo o quarto maior produtor e exportador mundial de carne suína o Brasil é um dos países que menos a consomem. “Um dos principais problemas é que se conhecem apenas três cortes da carne suína: lombo, costela e paleta”. Mas, há possibilidade de se obter mais de 40 cortes diferentes”, explica o gestor regional do PNDS, Valdir Airton Ramthum. O presidente da ACCS, Losivanio Luiz de Lorenzi, complementa que “o foco é mostrar que a carne in natura é de qualidade, apresentar os novos cortes que são destinados ao consumo diário e, com isso, aumentar as vendas desse produto”.

A ação na feira, conta com a parceria dos frigoríficos Varpi de Concórdia e Frigolaste de Seara, que apresentam seus produtos com cortes diferenciados.

O PNDS visa ampliar a participação da carne suína no consumo dos brasileiros através de ações que oportunizam trabalhar a estabilidade econômica do produto. Além de degustação, são oferecidas cartilhas e livretos de receitas, com informações de ordem nutricional. A coordenadora do PNDS, Lívia Machado, explica que o projeto pretende aumentar dois quilos a mais no consumo de carne suína por pessoa ao ano. Os resultados dessa iniciativa representam 12 mil novos empregos diretos na produção; 60 mil novos empregos diretos e indiretos na cadeia produtiva; 14 mil profissionais capacitados em processamento de cortes suínos e novas tecnologias aplicadas às indústrias, ao comércio e à produção.

O projeto está em andamento no Distrito Federal, Espírito Santo, Goiás, Minas Gerais, Paraná, Rio Grande do Sul e Santa Catarina. Lívia Machado reforça que a “Campanha um novo olhar sobre a carne suína” já foi apresentada em 20 supermercados nestes sete Estados, oportunizaram a capacitação de 3 mil pessoas entre cursos de cortes, palestras e oficinas para alunos de medicina e nutrição. “Os resultados já estão aparecendo no aumento das vendas de frigoríficos e na participação de mais de 600 mil pessoas em feiras”, salienta.

Os investimentos são da ordem de R$ 9 milhões em três anos. Os recursos são aplicados na geração de conhecimento, na produção, industrialização e, principalmente na área de comercialização do produto.

cheffDanielChef Daniel Furtado foi o responsável pela preparação da carne suína oferecida aos visitantes

 

Por: MARCOS A. BEDIN

MB Comunicação Empresarial/Organizacional

mb@mbcomunicacao.com.br

Leia Mais ►

15 de outubro de 2010

Celulares e internet podem ajudar a reduzir a pobreza?

Bom, segundo um relatório divulgado pela Conferência das Nações Unidas sobre Comércio e Desenvolvimento (Unctad) aponta que as tecnologias de informação e comunicação, tais como aparelhos de celular e acesso à internet, são importantes no combate à pobreza em todo o mundo.

O Relatório sobre a Economia da Informação apresentado nesta quinta-feira (14), também sugere que sejam adotadas políticas públicas voltadas para o desenvolvimento da tecnologia da informação e da comunicação como uma estratégia para reduzir a pobreza mundial.cel

Conforme o relatório, a população carente sofre com a falta de acesso a informações que são vitais para seu trabalho. Saber sobre as condições meteorológicas, por exemplo, poderia ajudar um agricultor a determinar o melhor momento para a plantação e a colheita. E um aparelho de telefone celular poderia permitir a esse agricultor receber essas informações.

De acordo com o conselheiro do Comitê Gestor da Internet da Unctad no Brasil, Carlos Alberto Afonso, é importante destacar que, isoladamente, o uso dessas tecnologias não resolve o problema da pobreza. Para ele, o uso deve estar associado a políticas públicas que poderiam criar condições para universalizar o acesso à informação.

Fonte: Agência Brasil

Leia Mais ►

Hidroginástica para gestantes: saúde para mamãe e bebê

Um momento tão especial, como a chegada de um filho, não pode deixar a futura mamãe sedentária por medo ou insegurança de se exercitar. Uma das opções que está sendo cada vez mais procurada e indicada pelos médicos ginecologistas e/ou obstetras é a hidroginástica, pois oferece vários benefícios para mamães e bebês.

A educadora física, Marlete Schneider, explica que o objetivo de cada aula é específico, mas o conjunto destas, estará sempre direcionado a trabalhar com as alunas, integrando corpo e mente.

As aulas iniciam sempre com os exercícios de alongamento e evoluem para a parte aeróbica, que trabalhará todos os músculos do corpo, melhorando o condicionamento físico, bem como o fortalecimento de músculos específicos. “Os exercícios proporcionam melhor equilíbrio à gestante, já que o peso está em demasia na parte frontal”, explica Marlete.

Para que o momento seja encarado de forma mais tranquila, utiliza-se os exercícios respiratórios que visam melhorar a parte circulatória, deixando a gestante mais relaxada, menos ansiosa, hidroginasticaajudando-a a melhorar a autoestima e o auto-controle. “O contato com a água é, ao mesmo tempo, estimulante e relaxante. A gestante que pratica a hidroginástica tem um sono mais profundo durante a noite. Com tudo isso, o bebê apresentará um desenvolvimento sadio dentro do útero”, reforça Marlete.

É importante ressaltar, que para iniciar a hidroginástica, é necessária uma autorização do obstetra. A gestante poderá praticar a hidroginástica durante toda a sua gestação, exceto quando houver recomendação médica, como é o caso de gravidez de risco. Após o nascimento do bebê poderá voltar a praticá-la para que volte rapidamente ao peso e forma que tinha antes da gravidez.

Foto: Hidroginástica na gestação (crédito foto Hidrogest)

Por: MARCOS A. BEDIN

MB Comunicação Empresarial/Organizacional

mb@mbcomunicacao.com.br

Leia Mais ►

14 de outubro de 2010

Veneno de peixe contra a asma

Uma nova descoberta do Instituto Butantan para combater a asma tem como matéria-prima o veneno de um peixe chamado Niquim (encontrado nas regiões Norte e Nordeste do Brasil). Uma das principais vantagens da droga é que ela não apresenta os mesmos efeitos colaterais dos corticóides, medicamentos mais usados hoje contra a doença.

“Hoje, o principal medicamento utilizado para a asma são os corticóides, que são muito bons, mas que não podem ser usados continuamente por causa dos efeitos colaterais. A vantagem do nosso é que é um produto natural, fácil de ser feito, brasileiro, e sem os efeitos colaterais”, disse Monica Lopes Ferreira, uma das responsáveis pela pesquisa.

Monica contou ter passado os últimos 14 anos estudando o veneno de peixes no Instituto Butantan, em São Paulo.Há quatro anos a pesquisadora se dedica especialmente a analisar a composição do veneno do Niquim e sua atuação em camundongos. Nesse período, ela descobriu a presença de um pequeno componente, chamado peptídeo, que tem função antiinflamatória.niquim

“Ele pode não só prevenir a asma, como tirar o paciente da crise. Isso já está sob patente no Brasil e em outros oito países”, afirmou ela, comemorando o fato da pesquisa ter sido totalmente desenvolvida no País.

Segundo Carla Lima, doutora da Universidade de São Paulo (USP) na área de imunologia, o número de pessoas que sofrem com asma vem crescendo muito nos últimos 20 anos no País, principalmente por causa de fatores como a poluição.

“A asma é uma doença inflamatória, controlada geneticamente e que recebe muita influência ambiental. Então, a poluição exacerba a inflamação asmática”, explicou Lima. “No Brasil, há cerca de 15 milhões de pessoas sofrendo com asma, de acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS)”.

Com toda a parte científica já desenvolvida, a descoberta da nova droga aguarda agora a fase de testes clínicos — que serão realizados pela indústria farmacêutica — para poder finalmente chegar à população.

“A parte científica, que envolvia todas as descobertas e o mecanismo de ação, já foi feita no Instituto Butantan. A segunda parte é uma parceria com o laboratório Cristália, que fará os testes clínicos e irá agora [analisar] de que maneira ela [a droga] será utilizada — se será comprimido ou aerosol. Só depois dessa etapa é que ela poderá ser comercializada”, afirmou Monica. De acordo com ela, se os investimentos do laboratório forem grandes, em três anos a droga poderá estar disponível para a população.

Fonte: Agência Brasil

Leia Mais ►

Milho faz aumentar o preço do frango

O elevado encarecimento do milho, principal insumo utilizado na criação de aves, está fazendo o consumidor brasileiro pagar mais caro pela carne de frango. O preço do milho no mercado interno aumentou mais de 50% no período janeiro/outubro e empurrou para cima os preços no varejo da carne de frango. Por causa desse insumo, o consumidor pagará mais caro esse alimento no fim do ano.

O presidente da Associação Catarinense de Avicultura (ACAV), Clever Pirola Ávila, explicou que o preço final ao consumidor aumenta somente em razão desse que é um dos principais insumos da cadeia produtiva da avicultura industrial.

O preço da saca de 60 kg de milho estava em 17 a 18 reais em janeiro e, hoje, situa-se em 24 a 25 reais. No centro-oeste, o preço de leilão está em 13,98, mas os custos logísticos elevam o preço no grão que chega ao grande oeste catarinense, onde situa-se o maior parque agroindustrial do setor avícola do país, custando 50% mais caro.galinha140

O problema resulta da escassez. Santa Catarina produz 4 milhões de toneladas de milho e precisa, todos os anos, importar cerca de 1,5 milhão de toneladas, socorrendo-se do Paraná e do Centro Oeste ou de importações.

A produção brasileira de milho, neste ano, foi de 56 milhões de toneladas. Ao final de setembro havia 33,6 milhões de toneladas em estoques públicos e privados e o ano deve encerrar com um estoque de passagem de 12,6 milhões de toneladas.

Clever Ávila mostra que o problema situa-se nas deficiências logísticas e nos custos de produção. A situação das estradas e portos provocou a explosão dos custos logísticos do agronegócio: entre 2003 e 2009, os gastos de transporte saltaram, em média, 147%, enquanto a inflação no mesmo período foi de 48%, de acordo com dados da Associação Nacional dos Exportadores de Cereais. Nos Estados Unidos e na Argentina, principais concorrentes do País, o avanço foi de 16% e 35%, respectivamente.

A ACAV defende a construção da “Ferrovia do frango”, também chamada de leste-oeste, para transportar a produção industrial do oeste aos portos catarinenses. Outro projeto essencial para o sistema agroindustrial barriga-verde é a extensão da Ferroeste, do Paraná, ferrovia que ligaria Chapecó ao Mato Grosso do Sul. Esta seria vital para transportar matéria-prima (milho e farelo de soja) do centro-oeste para Santa Catarina.

Estudos da Ferroeste revelam que o ramal Chapecó-Paraná será alimentado  pelo fluxo de grãos entre o Mato Grosso do Sul e Santa Catarina, a exportação de carne congelados de aves e suínos, o transporte de calcário da região metropolitana de Curitiba e de fertilizantes do porto para as regiões produtoras, a movimentação de derivados de petróleo, e a distribuição dos armazéns de grandes empresas agroindustriais.
“Enquanto essas obras não saem do papel, os custos de produção continuam altos, prejudicando criadores, indústrias e consumidores”, finaliza o presidente da ACAV.

Por: MARCOS A. BEDIN

MB Comunicação Empresarial/Organizacional

mb@mbcomunicacao.com.br

Leia Mais ►

13 de outubro de 2010

Eleições 2010: Desmonte de um falácia

Sob o título “Desmonte de um falácia”, o bispo de Jales, São Paulo, dom Demétrio Valentini, divulgou carta denunciando a publicação e distribuição de documento impresso, e de vídeos feito pelo padre Paulo Sampaio Sandes e os bispos dom Nelson Westrupp, dom Benedito Beni dos Santos e dom Airton José dos Santos, nas últimas semanas, e no dia das eleições, configurando crime eleitoral.

Valentini afirmou que a falácia é dupla, destacando que a primeira invoca e usa o nome da onferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) para um documento que ela não emitiu e por isso sequer foi disponibilizado em sua página na internet.

A segunda falácia invoca a causa indiscutível da vida “para acusar de abortistas os adversários políticos, que assim passam a ser condenados como se estivessem contra a vida e a favor do aborto”.

Bispo com inserção social, firme pastoreio e clareza de análise sócio-econômica, dom Demétrio questionou a atuação da presidência do Regional Sul 1 da CNBB, ao assumir a “manifestação de comissões diocesanas, que sinalizavam claramente que não era para votar nos candidatos do Partido dos Trabalhadores (PT), em especial na candidata Dilma”.eleicoes2010

Para ele, esta postura compromete a credibilidade da CNBB. As consequências são ainda piores, já que milhares de folhetos foram distribuídos no dia da eleição “ao arrepio da lei” e seguem “à disposição da volúpia desonesta de quem a está explorando eleitoralmente”.

Sem meias palavras, o bispo de Jales, classificou a atitude de “falácia mais sutil, e mais perversa”, ao perceber quem se arvora “em defensores da vida, para acusar de abortistas os adversários políticos, para assim impugná-los como candidatos, alegando que não podem receber o voto dos católicos”. Usam a vida como “pretexto da propaganda política contra seus adversários, e o que é pior, invocando para isto a fé cristã e a Igreja Católica”, sustentou.

Dom Demétrio apontou para a “clara posição ideológica, traduzida em opção política reacionária”, questionou o senso moral dos que “nunca relacionam o aborto com as políticas sociais que precisam ser empreendidas em favor da vida”.

Concluiu a carta denunciando a ingenuidade dos que “votam, sem constrangimento, no sistema que produz a morte, e se declaram em favor da vida”, e se julgam “no direito de condenar todos os que discordam de suas opções políticas.” Esses, escreveu, “pretendem revestir de honestidade, uma manobra que não consegue esconder seu intento eleitoral.”

Fonte: ALC

Leia Mais ►

Recomendo

  • Projeto Valença Troca Livros - Aguardem! Em novembro! Vem aí o *"Projeto Valença Troca Livros"* Sem custo algum, apenas doação, amor. Já tenho alguns livros *livros* para serem trocados...
    Há 3 dias
  • - Cheiro de Goiaba - Mais uma participação da escritora, historiadora *Urda Alice Klueger, *Comentando o seu primeiro dia de aula, na Rua da Glória antiga Escola São José, e q...
    Há 2 semanas
  • - Noite da Família no Clã! No sábado a noite (13/05) foi realizado uma noite super especial com todas as Mães e familiares do Clã, onde rolou bolos e salgad...
    Há 5 meses
  • -

Arquivo do Blog