1 de junho de 2009

Suinocultores catarinenses protestam e cobram maior atenção do governo

“A gripe não é suína”. Esse foi o refrão mais ouvido na tarde fria e cinzenta desta segunda-feira, em Seara, no oeste de Santa Catarina, onde se reuniram cerca de 3.000 produtores rurais em ato público para pedir a atenção da sociedade brasileira à maior e mais extensa crise que vive o setor nos últimos 20 anos.

“É mais que um ato, é um pedido de socorro”, resumiu o vice-presidente da Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de Santa Catarina (Faesc), Enori Barbieri. O manifesto “Para a Suinocultura continuar, Seara Pára”, promovido pela Faesc, Prefeitura Municipal de Seara, Câmara Municipal de Vereadores, Núcleo Municipal e Regional de Criadores de Suínos de Seara, Sindicato de Produtores e Trabalhadores Rurais do município e Associação Catarinense de Criadores de Suínos, teve o apoio da Câmara de Dirigentes Lojistas e Associação Comercial e Industrial de Seara. Durante duas horas, lideranças classistas, econômicas e políticas se juntaram aos criadores de suínos para pedir apoio governamental para o setor.protesto

Há dois problemas – preço e consumo –, explica Barbieri. A crise financeira internacional derrubou, inicialmente, o volume das exportações e, depois, os preços. Atualmente, o Brasil exporta um volume razoável de carne suína, mas o preço é 40% inferior ao praticado em 2007 e 2008. “Estamos pagando para consumirem nossa carne”, diz o presidente do Sindicato Rural de Seara, Waldemar Zanluchi. No mercado doméstico, o consumo caiu 75% em grandes praças, como São Paulo, em razão da indevida associação feita entre a carne suína e a gripe A, erroneamente chamada de “gripe suína” pelos meios de comunicação.

O tropeço inicial foi da Organização Mundial de Saúde (OMS) que, logo de início, em lugar de dar uma denominação territorial, como seria esperado (“gripe norte-americana”, por exemplo), denominou a patologia de “gripe suína”, o que levou a imprensa mundial a adotar esse nome. Mais adiante, quando a OMS corrigiu a nomenclatura para “gripe A” ou H1N1, não foi possível neutralizar o fenômeno comunicacional criado: a mídia gostou do nome inicial e dele não se afastou. Por isso, o ato de Seara encerrou com a distribuição de carne suína assada e pronta para o consumo, no horário do lanche escolar, para 500 alunos do Colégio Estadual Raimundo Corrêa, em Seara.

“Nós temos a melhor, a mais saudável e mais barata carne suína do mundo”, assinalou o presidente da cooperativa agropecuária Copérdia, com sede em Concórdia, Valdemar Bordignon. “Nós só sabemos trabalhar e produzir”, disse o criador Amilton Brusamarello, porque, “se houvesse outra opção, estaríamos fora”.

O presidente da Associação Catarinense de Criadores de Suínos, Volmir de Souza, assinala que todos os caminhos foram percorridos para abrir novos mercados, valorizar a carne suína e recuperar preços para o criador. Ele tem esperança que a Rússia - onde se encontra uma nova missão oficial brasileira negociando a troca de trigo e fertilizantes por carne – volte a comprar o produto catarinense.

As queixas de todos os atores da cadeia produtiva contra o governo são muitas: ele ignora o tamanho da crise e a importância da cadeia produtiva da suinocultura. Santa Catarina, o maior produtor nacional de carne suína, gera 660 mil toneladas de carne com o abate de 7 milhões de suínos por ano. Há 54 mil suinocultores em território barriga-verde que representam 25% da produção brasileira. O setor gera 65 mil empregos diretos e 140 mil indiretos. O Estado obtém mais de meio bilhão de dólares com exportações. No Brasil são 500 mil pessoas envolvidas em toda a cadeia: o país produz 3 milhões de toneladas, consumo 2,4 milhão por ano (200 mil toneladas por mês) e precisa exportar as outras 600 mil toneladas.

Criadores e lideranças querem para o agronegócio suinícola a mesma atenção que o governo deu à indústria automobilística. Mas, de acordo com a Faesc, no momento, a prioridade é prorrogação das dívidas, aprovação de créditos novos para manutenção da atividade, liberação dos estoques de milho da Conab, isenção de tributos na venda de leitões e material genético, além de uma política de preços mínimos para a carne suína.

Marcos A. Bedin
MB Comunicação
Assessoria de Imprensa
(49) 3323-4244, (49) 9967-4244
mb@mbcomunicacao.com.br

Blog Widget by LinkWithin

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe aqui seu recado.

Recomendo

  • Projeto Valença Troca Livros - Aguardem! Em novembro! Vem aí o *"Projeto Valença Troca Livros"* Sem custo algum, apenas doação, amor. Já tenho alguns livros *livros* para serem trocados...
    Há 5 dias
  • - Cheiro de Goiaba - Mais uma participação da escritora, historiadora *Urda Alice Klueger, *Comentando o seu primeiro dia de aula, na Rua da Glória antiga Escola São José, e q...
    Há 2 semanas
  • - Noite da Família no Clã! No sábado a noite (13/05) foi realizado uma noite super especial com todas as Mães e familiares do Clã, onde rolou bolos e salgad...
    Há 5 meses
  • -

Arquivo do Blog