9 de julho de 2011

Separe o lixo e acerte na lata

A preocupação com o meio ambiente nunca teve em tamanha evidência, seja nas manchetes jornalísticas, nas campanhas publicitárias ou na sociedade civil. O que antes era “papo de ambientalista” está cada vez mais presente nas escolas, nas rodas de conversas entre amigos e nas mudanças de atitudes das pessoas. Tais mudanças podem ser justificadas também pelos números do estudo elaborado pelo Ipea, em 2010, no qual o Brasil perde, anualmente, cerca de R$8 bilhões por não fazer a correta reciclagem do seu lixo.acertelata

Para ajudar a reverter estes números o Ministério do Meio Ambiente lançou nesta sexta-feira (8) o hotsite da campanha Separe o lixo e acerte na lata. A iniciativa faz parte de uma série de medidas que visam sensibilizar a sociedade para o grave problema da destinação do lixo no Brasil. No hotsite, as pessoas poderão acompanhar de perto a implantação da Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS), um conjunto de metas que irá contribuir para a eliminação dos lixões (até 2014), e instituir instrumentos de planejamento nos níveis nacional, estadual e municipal.

O site será alimentado periodicamente e contribuirá com a mobilização social de separação dos resíduos sólidos. Serão divulgadas informações que estimulem a reciclagem, valorizem o trabalho dos catadores e destaquem as ações do programa de erradicação da miséria voltadas para geração de emprego e renda às famílias desses trabalhadores.

Navegando pelo hotsite é possível conhecer mais da riqueza ambiental e social do lixo, aprender a forma correta de separação dos resíduos sólidos e entender melhor sobre os impactos ao meio ambiente, a prática do consumo consciente e a importância da redução do volume de lixo.

Fonte: Ministério do Meio Ambiente

Leia Mais ►

5 de julho de 2011

A odontologia na terceira idade

O significado de qualidade de vida é complexo e individual para cada pessoa, e o que é interessante e desejável para um pode não ser para outro. Porém, há uma condição da qual ninguém discorda: ter saúde para poder usufruir as oportunidades que a vida oferece. Mas enfrentar uma velhice saudável e aproveitar os anos a mais que a vida oferece dependerá dos critérios de qualidade de vida que cada pessoa leva. “É preciso ter consciência de que a saúde está diretamente vinculada à condição da boca”, explica o especialista em cirurgia e traumatologia bucomaxilofacial e mestre em lasers em odontologia, Silvio Mauro Gallon, da Clínica Arte e Face de Chapecó.

“O sorriso encanta, abre portas e nos torna mais sociável, porém, não conseguir se alimentar, processar os alimentos corretamente e nem receber as vitaminas indispensáveis por conta disso são realmente limitadores da qualidade de vida”, observa Gallon.

    A maioria das pessoas chega a terceira idade com uma condição dental que exige maiororto3ides cuidados, quando já não perderam muitos dentes. A gengiva apresenta-se retraída, os dentes desgastados, os ossos, músculos e articulações mais frágeis. Surgem limitações, dores e dificuldades de exercer funções até então simples. A vaidade pode ficar comprometida e, muitas vezes, não ter dentes ou ter uma prótese desgastada pelo tempo pode significar constrangimento.

Por isso, a saúde oral na terceira idade exige uma investigação precisa, exames de imagens para verificar a inserção dos dentes nos ossos, orientações sobre os cuidados de higiene e manutenção de tratamentos restauradores e próteses. “As necessidades na terceira idade são simples e de fácil tratamento, como, por exemplo, verificar a quantidade de produção de saliva e corrigir os seus níveis de forma a dar conforto e proteção aos dentes e gengivas”, avalia o profissional.

    Os problemas também podem ser consequências do uso de próteses totais ou dentaduras, que não ficam firmes e não permitem uma mastigação eficiente. “Nesses casos, podem ser colocados implantes, mudando radicalmente a situação, e nem sempre isso implica em tratamentos extremamente caros ou complexos”, complementa Gallon.

    Quando a pessoa tem o privilégio de possuir os dentes por toda a vida são necessários cuidados especiais na terceira idade. Por perder líquidos, os dentes tornam-se mais quebradiços, os desgastes decorrentes do uso ao longo do tempo podem levar a tratamento de canais ou necessidade de proteção, as gengivas vão se retraindo no seu entorno e precisam ser conservadas saudáveis, com uma técnica de escovação que massageie e as conserve.

    De acordo com Gallon, muitas vezes, os dentes se afastam e os pigmentos podem manchá-los e esconder sua beleza. As articulações também se fragilizam com o tempo e altura da face muda, levando a um novo arranjo dos músculos e tendões. Quando o paciente tem duas dentaduras, elas vão se desgastando e obrigando a boca a se fechar cada vez mais na hora de mastigar, resultando em um estiramento exagerado dos músculos da mastigação.

    A pele e os músculos dos lábios e bochecha tornam-se mais flácidos, dificultando a estabilização das dentaduras quando presentes. Os ossos maxilares que tiveram seus dentes extraídos acabam atrofiando, ficando finos e rasos e o aspecto da boca parece mais retraído.

    Todo esse conjunto de alterações leva a uma perda significativa da saúde oral e da qualidade de vida. “É preciso viver mais, porém com qualidade e não podemos deixar a face e a boca descuidadas, pois as consequências podem repercutir em todo o organismo. Somos um conjunto único e um problema isolado em qualquer parte desse conjunto gera um desequilíbrio difícil de resolver. Por isso, é fundamental que na terceira idade as pessoas visitem o dentista e cuidem da saúde da boca”, finaliza.

Fonte: MARCOS A. BEDIN

MB Comunicação Empresarial/Organizacional

mb@mbcomunicacao.com.br

Leia Mais ►

3 de julho de 2011

O rouxinol brasileiro

Com a vocação revelada desde muito cedo - aos 10 anos já cantava e tocava clássicos ao piano; aos 16 se apresentava em teatros do Rio de Janeiro e conquistou, de forma pioneira, os mais importantes palcos do cenário clássico internacional. Ainda muito jovem, buscou na Europa o aperfeiçoamento técnico. Primeiro na Romênia, mais tarde na França. Na década de 20, estreava na Itália, no Teatro Constanzi de Roma. Nos Estados Unidos, onde consolidou carreira, chegou em meados dos anos 30. Passou a integrar, a convite do maestro italiano Arturo Toscanini, os quadros da Orquestra Filarmônica de Nova Iorque.

Voz maior do canto lírico nacional, Bidu Sayão nasceu no Rio de Janeiro em maio de 1902. Balduína de Oliveira Sayão, seu nome de batismo, perdeu o pai aos cinco anos. Da mãe, que foi sua grande incentivadora, herdou o apelido. Dedicou-se ao canto lírico desde cedo e estreou aos 18 anos, no ThBiduSayaoeatro Municipal do Rio de Janeiro, na ópera "Lucia de Lammermoor", de Gaetano Donizetti. Apesar da acolhida positiva de público e crítica, resolveu postergar o início da carreira para aperfeiçoar seus estudos.

"Ela tem uma voz admirável, de encanto impregnante", disse o escritor e musicólogo Mário de Andrade, que a apelidou de rouxinol brasileiro. A temporada de 1936 no Carnegie Hall consagrou a brasileira de maneira definitiva. Interpretando Manon, de Jules Massenet, estreou, no ano seguinte, no Metropolitan Opera House - Olimpo das grandes vozes da ópera - sendo ouvida no Rio pelos fãs que acompanhavam o espetáculo através de uma esperada transmissão radiofônica. Testemunhavam assim, grande triunfo da brasileira, que iria fazer parte dos elencos estáveis da casa operística americana durante os anos seguintes.

A carreira no exterior nunca a impediu de voltar ao Brasil para cantar. Com a voz límpida e delicada, e imprimindo estilo e densidade dramática em suas interpretações, Bidu Sayão viveu em cena 22 grandes heroínas, entre elas, Mimi, de La bohème (Puccini), Gilda, de Rigoletto (Verdi), e Ceci, de O Guarani, de Carlos Gomes.


Na década de 40, foi consagrada com a segunda colocação no concurso que escolheu a cantora lírica mais popular dos Estados Unidos. Cantou na Casa Branca para o casal Roosevelt, quando recusou a oferta da cidadania americana feita pelo então presidente. Queria terminar vida e carreira como brasileira. Parou de cantar no auge da fama e do reconhecimento, de maneira definitiva, em 1958. A última aparição pública foi feita, a pedido de Villa-Lobos, no Carnegie Hall, em Nova York. São de Villa-Lobos as mais importantes gravações registradas por Bidu, entre elas, das Bachianas nº 5 e da Floresta do Amazonas. Morreu, nos Estados Unidos, aos 96 anos, no ano de 1999, fazendo planos para comemorar seu centenário na terra natal.

Fonte: Livro 100 Brasileiros (2004)

Leia Mais ►

Recomendo

  • Projeto Valença Troca Livros - Aguardem! Em novembro! Vem aí o *"Projeto Valença Troca Livros"* Sem custo algum, apenas doação, amor. Já tenho alguns livros *livros* para serem trocados...
    Há 3 dias
  • - Cheiro de Goiaba - Mais uma participação da escritora, historiadora *Urda Alice Klueger, *Comentando o seu primeiro dia de aula, na Rua da Glória antiga Escola São José, e q...
    Há 2 semanas
  • - Noite da Família no Clã! No sábado a noite (13/05) foi realizado uma noite super especial com todas as Mães e familiares do Clã, onde rolou bolos e salgad...
    Há 5 meses
  • -

Arquivo do Blog