11 de janeiro de 2013

Parque Unipraias recebe Prêmio Empresário Amigo do Esporte

O Parque Unipraias recebeu do Ministério do Esporte o Prêmio Empresário Amigo do Esporte, um reconhecimento pelas iniciativas voltadas para a promoção e incentivo ao esporte nacional promovidas pela empresa. A premiação do Ministério do Esporte tem como objetivo viabilizar o contato entre atletas, técnicos e dirigentes esportivos com empresas patrocinadoras.

unipraias


A ação que o Parque Unipraias desenvolve na área é sua parceria com a AFADEFI – Associação de Apoio às Famílias de Deficientes Físicos. Desde 2002, a entidade presta suporte à pessoa com deficiência física e, atualmente, conta com 728 associados, 42 paratletas, que disputam campeonatos de basquete, atletismo, natação e bocha paralímpica, muitos recordistas nacionais.
Lei de Incentivo ao Esporte.


A Lei de Incentivo ao Esporte tem como objetivo incentivar empresas e pessoas a patrocinar ou a realizar doações para projetos esportivos e paradesportivos em troca de incentivos fiscais. Para as pessoas físicas, os descontos no Imposto de Renda podem chegar a 6% e, para a pessoa jurídica tributada com base no lucro real, o desconto é de até 1% sobre o imposto. Para participar, é preciso apresentar um projeto à comissão técnica do programa, que é composta por integrantes do Ministério do Esporte e Conselho Nacional do Esporte.


Informações adicionais podem ser obtidas no Departamento de Marketing e Comunicação, pelo fone

(47) 3404-7600.

Por: Mirella Huelsmann
Jornalista
Assessora de Comunicação
www.unipraias.com.br
Leia Mais ►

8 de janeiro de 2013

Uma conquista ruinosa

  “Não é para comemorar.” Essa foi a manifestação do presidente da Organização das Cooperativas do Estado de Santa Catarina (Ocesc), Marcos Antônio Zordan, ante o anúncio de que o Brasil tornou-se, em 2012, o segundo exportador global de milho, passando a Argentina e ficando apenas atrás dos Estados Unidos.

         Zordan mostra que as exportações maciças encareceram o preço interno do milho e, por extensão, aumentaram os custos da nutrição animal e da produção de carnes – especialmente de aves e suínos. Observa que na Argentina, além da queda de produção,  houve preocupação governamental em reter parte do grão no país para não prejudicar a geração de proteína animal, cuidado que o Brasil não teve.

         O dirigente ressalta que a elevação acentuada dos custos encareceu em até 30% os preços finais ao consumidor. Uma das consequências inevitáveis foi o aumento da inflação. “Se, por um lado, alguns lucraram com a inflação, por outro, toda a sociedade sofre com o processo inflacionármilhoio”,

A procura mundial pelo grão tornou o Brasil o segundo maior exportador de milho do mundo, arrecadando bilhões em divisas externas. O Brasil colheu uma produção recorde em 2012 e exportou a marca histórica de quase 20 milhões de toneladas de milho, o dobro das exportações de 2011. A produção pecuária interna, porém, sofre pelo elevado custo desse insumo. O milho existe no mercado, mas seu preço continua elevado para as atividades pecuárias.

–“Não queremos dizer, em absoluto, que os produtores de grãos não tenham que aproveitar o bom momento, porém, tudo o que é descompassado acaba a médio ou longo prazo tendo resultados desastrosos. Basta lembrar que várias agroindústrias faliram e produtores independentes quebraram”.

O presidente da Ocesc  lamenta que as promessas de transferência dos estoques do centro-oeste brasileiro para o sul não foram cumpridas. Uma sugestão prática para amenizar a crise foi dada pelas agroindústrias na forma de um subsídio de 5 reais por saca de milho transportada do centro-oeste para SC a ser deduzida dos impostos federais foi ignorada pelo Governo. Essa operação custaria apenas 300 milhões de reais ao ano que seriam deduzidos dos créditos de PIS e COFINS que as indústrias da carne têm junto à Receita Federal.

Santa Catarina tem mais de 17.000 suinocultores e avicultores integrados às agroindústrias produzindo num setor que emprega diretamente 105 mil pessoas e, indiretamente, mais de 220 mil trabalhadores. O setor no País se desenvolveu copiando o modelo de parceria produtor/indústria implantado em Santa Catarina a partir do início dos anos 70.

O cenário gerado pela crise dos grãos é inédito em face do alinhamento de uma série de fatores negativos – estiagem nos EUA que perderam 110 milhões de toneladas de milho, seca no Brasil, demanda em alta no mercado mundial etc. “Esses fatores justificariam uma intervenção oficial no mais claro interesse da sociedade”.

Santa Catarina cultiva 540.000 hectares e produz cerca de 4.5 milhões de toneladas, mas, consome 6.5 milhões, importando do exterior ou do Mato Grosso e Paraná o volume necessário para suprir o déficit de 2 milhões de toneladas. Em anos de estiagens rigorosas, o déficit chega a 3 milhões de toneladas. Isso também se deve ao fato de parte da safra catarinense não ficar no Estado por falta de armazenagem, situação que prejudica os criadores e as indústrias.

Fonte: MARCOS A. BEDIN

MB Comunicação Empresarial/Organizacional

mb@mbcomunicacao.com.br

Leia Mais ►

6 de janeiro de 2013

Servidor da FURB desenvolve aparelho que revela nível do rio em tempo real

Informar os dados sobre o nível do Rio Itajaí-Açu em tempo real. Este é o objetivo do Hidrowitter, projeto desenvolvido pelo servidor da Universidade Regional de Blumenau (FURB) e aluno de mestrado em Mecatrônica no Instituto Federal de Santa Catarina (IFSC) Thiago Waltrik e seus colegas de mestrado. O Hidrowitter mede o nível do rio e disponibiliza os dados em redes sociais. O primeiro teste do aparelho que vai ser usado a partir de março de 2013 aconteceu nesta quarta-feira (19/12), no Bairro Boa Vista, com a presença do professor e coordenador do projeto, Roberto Alexandre Dias.

O equipamento, que utiliza energia solar, calcula o nível do rio de acordo com a pressão exercida sobre um sensor que fica submerso, e envia as informações coletadas via Internet sem fio para a torre de comando, localizada no Portal da Saxônia, Bairro Ponta Aguda. Depois disso, os dados são disponibilizados em mensagens no Twitter. “Primeiramente vamos trabalhar em cima do Twitter e, futuramente, pretendemos associar com outras redes sociais e com o Google Maps”, explicou.rio

Thiago conta que se baseou em um projeto criado por um chileno, que mede a magnitude de terremotos e disponibiliza as informações em tempo real. “Estudando este projeto, vimos que há uma necessidade regional de divulgar mais rapidamente o nível do nosso rio”, comentou.

O servidor da FURB faz parte do Grupo de Sistemas Embarcados e Distribuídos do IFSC, composto por sete alunos. O grupo trabalhou seis meses em cima do Hidrowitter e, em breve, pretende integrar também o monitoramento de chuvas e de temperaturas ao projeto.

Saiba mais sobre o projeto.

Fonte: Furb

Leia Mais ►

Recomendo

  • Projeto Valença Troca Livros - Aguardem! Em novembro! Vem aí o *"Projeto Valença Troca Livros"* Sem custo algum, apenas doação, amor. Já tenho alguns livros *livros* para serem trocados...
    Há 3 dias
  • - Cheiro de Goiaba - Mais uma participação da escritora, historiadora *Urda Alice Klueger, *Comentando o seu primeiro dia de aula, na Rua da Glória antiga Escola São José, e q...
    Há 2 semanas
  • - Noite da Família no Clã! No sábado a noite (13/05) foi realizado uma noite super especial com todas as Mães e familiares do Clã, onde rolou bolos e salgad...
    Há 5 meses
  • -

Arquivo do Blog