3 de junho de 2009

Otra América es posible

O movimento indígena, do México à Patagônia, está propondo “um desafio em termos de civilização”, que, devido a crise mundial, aparece hoje na ordem do dia, afirma o economista colombiano Hector-Léon Moncayo

Entre todos os movimentos sociais do continente, o mais importante dos últimos tempos é o indígena, assinala Moncayo. Indígenas postulam uma relação diferente com a natureza e entre os seres humanos, “substituindo o ânimo do lucro e da competição pela harmonia e a solidariedade”, diz.

O economista colombiano admite, em entrevista ao Instituto Humanitas, da Universidade movimento_indigenado Vale do Rio dos Sinos (Unisinos),  que o avanço do movimento indígena é desigual. Eles estão presentes no governo boliviano, são atores principais nas transformações do Equador, e ganham peso no Peru e na Colômbia.

O pesquisador colombiano Alfredo Molano aponta o movimento indígena, sobretudo no Sul, como o mais importante da Colômbia, por sua capacidade de mobilização nacional e por desafiar o poder estabelecido.

“O assassinato de indígenas (na Colômbia), que é muito alto, não conseguiu derrotá-los. Pelo contrário, fortaleceu-os em sua luta por territórios, cultura e autoridade territorial”, arrola.

O padre jesuíta José Maria Blanch, do Paraguai, detecta uma grande diversidade quanto ao peso político e cultural dos povos indígenas em cada um dos países onde estão estabelecidos. Admite, contudo, avanços em sua presença e reivindicação de direitos, porém em grau bastante diversificado.

Na Bolívia, abrem-se espaços para a representação indígena, destaca o jesuíta René Cardozo. Politólogo e pároco de congregações em área rural, Cardozo entende, contudo, que essa abertura, mesmo na Bolívia, que tem um indígena na presidência da República, ainda é em pequeno grau.

Fonte: ALC

Blog Widget by LinkWithin

Um comentário:

  1. Interessante essa notícia Luiz. A América Latina concentra diversas etnias e culturas, mas mostra ser um continente mais unido que o Europeu por exemplo. As dificuldades, lutas por independências e o desenvolvimento dos países, fazem com que sejamos mais unidos que os europeus. Abraços.

    ResponderExcluir

Deixe aqui seu recado.

Recomendo

  • Projeto Valença Troca Livros - Aguardem! Em novembro! Vem aí o *"Projeto Valença Troca Livros"* Sem custo algum, apenas doação, amor. Já tenho alguns livros *livros* para serem trocados...
    Há 6 dias
  • - Cheiro de Goiaba - Mais uma participação da escritora, historiadora *Urda Alice Klueger, *Comentando o seu primeiro dia de aula, na Rua da Glória antiga Escola São José, e q...
    Há 2 semanas
  • - Noite da Família no Clã! No sábado a noite (13/05) foi realizado uma noite super especial com todas as Mães e familiares do Clã, onde rolou bolos e salgad...
    Há 5 meses
  • -

Arquivo do Blog