13 de fevereiro de 2009

Impunidade! Assassinato completa 5 anos sem condenação

O brutal assassinato do líder sindical Olices Stefani, de Abelardo Luz-SC, completa cinco anos na próxima segunda-feira, dia 16/2/2009, sem condenação dos acusados, enquanto a Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de Santa Catarina (Faesc) reclama da parcialidade do Ministério Público e do emperramento do processo causado pela Fundação Nacional do Índio (Funai). Para agravar o nível de indignação da sociedade catarinense, um dos principais acusados foi mantido em liberdade e cometeu crime de latrocínio: matou um vigia para roubar bebidas e cigarros.

Presidente do Sindicato Rural e da Cooperativa de Alimentos e Agropecuária Terra Viva, ambos de Abelardo Luz, Olices Stefani foi assassinado a 1 hora da madrugada do dia 16 de fevereiro de 2004, na região da Linha Embu, naquele município, por índios caingangues pertencentes às comunidades indígenas locais e da Reserva paranaense de Mangueirinha. Stefani tinha 52 anos de idade, era casado e pai de três filhas.

O sindicalista foi vitimado com tiro de carabina na cabeça quando, na Linha Embu, foi atacado por um grupo de indígenas que obstruíam a rodovia e ameaçavam invadir propriedades rurais – inclusive a do dirigente sindical morto. A vítima deu ré e tentou evadir-se do local para evitar o confronto, mas, mesmo com essa conduta não-agressiva, foi impiedosamente fuzilado pelos indígenas.

A ação estatal no processo é lenta desde o início. O inquérito da Polícia Federal foi moroso e, na Justiça Federal, os procuradores da Funai priorizaram a lentidão como estratégia. O assistente de acusação, advogado Irio Grolli, protestou contra o comportamento do procurador da República que omitiu-se de incluir na denúncia – “não se sabe se dolosamente ou não” – o agravante de motivo fútil, juridicamente tido como elemento subjetivo da conduta “já que os índios condenaram a vítima à morte apenas por dar um ré”. Grolli reclama que o Ministério Público (Procurador da República) claramente não quis que o Poder Judiciário analisasse a qualificadora/agravante e, por isso, os acusados serão processados apenas por homicídio simples.

A conduta da Funai também foi duramente criticada. Para procrastinar (atrasar) o processo, a Funai fez uso excessivo de embargos declaratórios e outros recursos processuais. Além disso, nomeou procuradores de quatro regiões diferentes (Goiânia, Brasília, Rio de Janeiro e São Paulo), “todos recebendo diárias a custo do contribuinte brasileiro para defender bandidos, buscando atrasar o máximo possível cada etapa do processo.” A última tentativa de retardar a justiça foi um Recurso Extraordinário interposto pela Funai ao STF, denegado, porém, pela mais alta corte do país.

Nesta fase, os acusados foram pronunciados por homicídio simples, pelo Juiz Federal, faltando a definição de data para se reunir o Tribunal de Júri que julgará os acusados. O julgamento deve ocorrer neste semestre.

No oeste catarinense, a Funai é acusada de aterrorizar as comunidades rurais com invasões e expropriações para criação de novas terras indígenas ou ampliação das já existentes. O presidente da Faesc, José Zeferino Pedrozo, diz que, lamentavelmente, a Funai faz uma interpretação própria da legislação e está submissa a ONGs estrangeiras, além de não ter isenção na questão dos conflitos entre produtores e índios. Sabe-se há muito tempo que a Funai usa as brechas existentes na legislação para manipular o processo de identificação e demarcação das terras indígenas”, reclamou o presidente.

As classes produtoras rurais ficaram ainda mais revoltadas quando um dos criminosos ferreamente defendido pela Funai, Vanderlei Felizardo, vulgo “Frango”, cometeu crime de latrocínio no dia 08 de junho do ano passado, assassinou Sady Galupo, vigia de um estabelecimento comercial de Abelardo luz, para roubar cigarros e bebidas.

Por: Marcos A. Bedin
MB Comunicação
Assessoria de Imprensa
(49) 3323-4244, (49) 9967-4244
mb@mbcomunicacao.com.br

Blog Widget by LinkWithin

4 comentários:

  1. É Luiz, este é só mais um dos muitos casos que ainda estão sem solução no Brasil. Uma tremenda vergonha. Abraços.

    ResponderExcluir
  2. Não adianta reclamar. "Malandro" é o índio que precisa esperar só mais alguns anos de recursos protelatórios para se dar bem e escapar ilesos. Nessa história todo só um culpado; nós mesmos.

    Em nosso país o cidadão está entregue a própria sorte. Agora muito mais do que antes.

    ResponderExcluir
  3. Agora com a "carta branca para matar" que o STF concedeu aos criminosos, vamos ver casos como esses pipocarem na imprensa, isso que o mesmo STF não der um jeito de censurá-la também. Uma vergonha sem justificativa.

    Abraços

    ResponderExcluir
  4. Ainda não havia lido seu post aqui ... Mas só posso concordar com o Sr. A Justiça brasileira não é para as pessoas justas e sim para os criminosos, o que deixa nosso país mais vulnerável para controle externo, a FUNAI diz que querem os direitos dos Índios, mas não entendo, já que eles ganham tudo de mão beijada, exploram mais a terra pra ganhar dinheiro ilicitamente e ainda por cima se acham no dever disso ....

    E que a Justiça seja feita....

    ResponderExcluir

Deixe aqui seu recado.

Recomendo

  • Projeto Valença Troca Livros - Aguardem! Em novembro! Vem aí o *"Projeto Valença Troca Livros"* Sem custo algum, apenas doação, amor. Já tenho alguns livros *livros* para serem trocados...
    Há 2 dias
  • - Cheiro de Goiaba - Mais uma participação da escritora, historiadora *Urda Alice Klueger, *Comentando o seu primeiro dia de aula, na Rua da Glória antiga Escola São José, e q...
    Há uma semana
  • - Noite da Família no Clã! No sábado a noite (13/05) foi realizado uma noite super especial com todas as Mães e familiares do Clã, onde rolou bolos e salgad...
    Há 5 meses
  • -

Arquivo do Blog