15 de julho de 2009

Entenda a intolerância à lactose

O leite é um alimento básico da dieta, especialmente para as crianças. Graças a ele e a seus derivados obtemos o aporte mais importante de cálcio para o organismo. Entretanto, cerca da metade da população mundial não pode desfrutar de seus benefícios devido a algum grau de rejeição aos laticínios.

Poucos são os que já detectaram o problema e poucos sabem como conviver ou sabem o que é a intolerância à lactose. Trata-se da dificuldade de digerir o açúcar presente no leite e em seus derivados. O problema, segundo os médicos, é genético e ocorre quando o organismo para de produzir uma enzima chamada lactase.

Quando a lactase não recebe a lactose para digeri-la ela se acumula na flora intestinal para que essa a leite1fermente. Quando a flora intestinal inicia a digestão da lactose produz ácidos e gases orgânicos que acabam provocando acidez de ph 6,0, barulhos no abdômen, diarréia, cólicas, náuseas, vômitos, ardência anal, retenção de água no intestino. 

O adulto pode manifestar intolerância à lactose, mesmo não tendo desenvolvido esta doença quando criança, pois com o passar do tempo, podemos diminuir a quantidade da enzima lactase.

A maioria das pessoas com deficiência de lactase pode tolerar a quantidade de lactose existente em 1/2 xícara de leite (6g de lactose) por dia, e muitos podem tolerar mais. O leite pobre em lactose e o leite de soja podem ser tolerados em quantidades maiores. Os produtos de leite fermentados (por exemplo, iogurte, queijo curado e queijo fresco) podem ser mais bem tolerados que os produtos lácteos não fermentados.

Atualmente a intolerância a lactose não causa transtornos importantes na dieta das pessoas, devido a que existem outros produtos por meio dos quais é possível se obter o aporte necessário de cálcio: legumes, gema de ovo, algumas verduras e frutas (agrião, figo seco, amêndoa, cebola, etc.). Além disso, existem alternativas para substituir o leite em nossa dieta. Por exemplo, o leite de soja é comercializado atualmente e sem necessidade de prescrição médica.

Fonte de pesquisa: Jornal Ser Saudável, Site Médico Boa Forma

Blog Widget by LinkWithin

Um comentário:

  1. Muito boa a matéria amado Luiz, pertinente para os dias atuais.
    A paz

    ResponderExcluir

Deixe aqui seu recado.

Recomendo

Arquivo do Blog