3 de abril de 2009

A primeira corrida automobilística realizada no Brasil

O Parque Antarctica comportava uma multidão fora do comum. Gente que, pela quantia de 2 mil réis, assistia, aguardava e torcia pelo vencedor do Circuito de Itapecerica, a primeira corrida automobilística realizada no Brasil e na América do Sul. Era o dia 26 de julho de 1908 e repórteres nacionais e internacionais cobriam o acontecimento que era uma grande aventura.

O ano de 1908 fora muito importante para o automobilismo brasileiro. A começar pela incrível façanha do conde francês Ledain, que, num carro Brasier de 16 cv, realizara a pioneira travessia do motoblocRio de Janeiro a São Paulo, percorrendo em 33 dias, mais de 700 km tortuosos. logo em seguida, foi a vez de um brasileiro, Antonio Prado Junior, dirigindo um motobloc de 30 cv, comandar uma caravana de bandeirantes sobre rodas de borracha, com destino a Santos, através do perigoso e abandonado Caminho do Mar. A proeza levou 36 horas.

Apesar da precariedade dos carros e da ausência de vias adequadas, o clima era de euforia entre os amantes do novo veículo. Ainda em 1908 havia sido criado o Automóvel Club de São Paulo, para estimular o automobilismo e possibilitar troca de informações entre os sócios. Foi esta entidade que promoveu o Circuito de Itapecerica. Para essa corrida, com itinerário de 70 km, não havia prêmios em dinheiro, apenas medalhas e objetos de arte.

Os carros concorrentes eram distribuídos em classes, conforme a força de seus motores e seus modelos. Classe A, mosylvio Penteadotocicletas; B voiturettes, uma espécie de baratinha com até 20 cv; C de 20 a 30 cv; D de 30 a 45 cv; E acima de 45 cv. Um dos mais cotados para vencer era o já famoso Conde Lesdain, mas um acidente colocou o ás do volante fora da competição.

O grande vencedor foi o paulista Sylvio Penteado, com seu Fiat de 40 cv. Com a média de 50 km por hora, Sylvio completou o trajeto de 70 km em 1h, 30min e 5 segundos.

Fonte de Pesquisa; Nosso Século, Abril Cultural, 1980.

Blog Widget by LinkWithin

3 comentários:

  1. Bons tempos aqueles que não existia o absurdo e estressante trânsito de hoje em dia.... hehe

    Muito legal esse artigo, Luiz!

    Abraços

    ResponderExcluir
  2. Legal essa história. Sei também que a cidade natal da minha mãe, Petrópolis, tinha muitas corridas de rua. É sempre bom relembramos os primórdios das corridas do nosso rico automobilismo. Abraços

    ResponderExcluir
  3. Não poderia ter palco melhor!!

    Show de bola a matéria!!!

    ResponderExcluir

Deixe aqui seu recado.

Recomendo

  • Projeto Valença Troca Livros - Aguardem! Em novembro! Vem aí o *"Projeto Valença Troca Livros"* Sem custo algum, apenas doação, amor. Já tenho alguns livros *livros* para serem trocados...
    Há 4 dias
  • - Cheiro de Goiaba - Mais uma participação da escritora, historiadora *Urda Alice Klueger, *Comentando o seu primeiro dia de aula, na Rua da Glória antiga Escola São José, e q...
    Há 2 semanas
  • - Noite da Família no Clã! No sábado a noite (13/05) foi realizado uma noite super especial com todas as Mães e familiares do Clã, onde rolou bolos e salgad...
    Há 5 meses
  • -

Arquivo do Blog