20 de junho de 2009

A gripe não é suína

A imprensa, via de regra, é uma aliada dos setores produtivos; é um setor essencial e estratégico para o desenvolvimento das sociedades democráticas, livres e pluralistas, mas está prestando um desserviço à Nação no caso da “Gripe A”.

Milhões de produtores e empresários rurais estão revoltados em relação ao tratamento que essa patologia viral vem recebendo nos meios de comunicação social do nosso país que insistem de chamá-la indevidamente de “Gripe Suína”.

Sabemos que o erro inicial, nesse amplo e doloroso processo de comunicação, coube à Organização Mundial da Saúde, que, em seu primeiro comunicado à imprensa, cometeu o equívoco de denominar de gripe suína o que, pelo princípio toponímico adotado nas demais ocorrências massivas da doença, deveria ter sido batizada de “Gripe Norte-Americana”. Mais tarde a OMS reconheceu esse erro, mas não conseguiu neutralizar nem reverter a obsessão da mídia por nomes fortes e catastróficos.

A suinocultura brasileira é a melhor do mundo e o mercado internacional reconhece nosso padrão de excelência. Desfrutamos de sanidade atestada pela Organização Internacional de Saúde Animal (OIE). Empregamos, nos campos, a melhor genética, a melhor nutrição e o melhor manejo de rebanhos. Nossa indústria de processamento de carne utiliza máquinas, equipamentos e instalações de mais alta tecnologia. Insumos e mão-de-obra são de primeira linha.

A cada vez que a imprensa fala em “gripe suína”, essa vasta, moderna e complexa cadeia produtiva da qual dependem mais de 2,5 milhões de pessoas, sofre abalo econômico. O efeito da comunicação de massa na economia real tem sido devastador. No mês de maio, o consumo de carne suína in natura caiu ¾ em grandes mercados, como Rio e São Paulo. Empregos e riquezas estão sendo consumidos pelo fogo da desinformação.

O mais irônico é que o suíno não tem nada a ver com Gripe A, como bem o demonstraram as investigações virológicas. Não se tem notícia de que haja algum suíno doente, nem caso de contaminação animal-homem. Mas, a mídia insiste em falar em “gripe suína” e em exibir imagens de suínos. É bem verdade que alguns jornalistas perceberam o erro e o corrigiriam, mas a maioria dos profissionais de comunicação insiste no uso do termo incorreto.

Tomamos a liberdade de propor ao Ministério da Agricultura uma ação forte e incisiva no sentido de neutralizar os efeitos desse deletério e inconveniente processo comunicacional, para evitar a derrocada da cadeia produtiva. Decididamente, a gripe não é suína.

 

mariolanznaster

Por: Mário Lanznaster/presidente da Coopercentral Aurora

Enviado por: Marcos A. Bedin
MB Comunicação
Assessoria de Imprensa
(49) 3323-4244, (49) 9967-4244
mb@mbcomunicacao.com.br

Blog Widget by LinkWithin

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe aqui seu recado.

Recomendo

  • Projeto Valença Troca Livros - Aguardem! Em novembro! Vem aí o *"Projeto Valença Troca Livros"* Sem custo algum, apenas doação, amor. Já tenho alguns livros *livros* para serem trocados...
    Há 5 dias
  • - Cheiro de Goiaba - Mais uma participação da escritora, historiadora *Urda Alice Klueger, *Comentando o seu primeiro dia de aula, na Rua da Glória antiga Escola São José, e q...
    Há 2 semanas
  • - Noite da Família no Clã! No sábado a noite (13/05) foi realizado uma noite super especial com todas as Mães e familiares do Clã, onde rolou bolos e salgad...
    Há 5 meses
  • -

Arquivo do Blog