5 de fevereiro de 2009

Ficamos com Cesare Battisti... e o que faremos com os bezerros ?

O motivo da decisão do governo italiano em suspender a missão que viria a Santa Catarina neste mês para discutir com criadores, entidades do agronegócio e autoridades sanitárias a compra contínua e regular de bezerros vivos causou impacto junto às classes produtoras. Os produtores estão indignados com o ministro Tarso Genro, da Justiça, que decidiu dar abrigo político ao refugiado italiano Cesare Battisti, acusado de cometer quatro assassinatos na Itália, medida que irritou o governo do premiê Silvio Berlusconi.

O presidente da Faesc, José Zeferino Pedrozo, lamentou que a decisão do ministro destruiu três anos de trabalho, contatos, viagens e articulações, jogando por terra todo o esforço da Federação, do governo catarinense e de outras instituições. O dirigente está convicto de que a nação brasileira não aprova a decisão do ministro em asilar um terrorista.

Pedrozo destacou que o negócio era vital para os catarinenses porque, na área governamental, a Itália obteria autorização da União Européia para importar animais vivos do Brasil, o que abriria portas para futuros negócios – como a exportação de suínos para a Europa.

A Itália iria importar de 100.000 a 150.000 bezerros por ano e as negociações, iniciadas em 2006, envolvem a Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de SC (Faesc), os Sindicatos Rurais e a Secretaria da Agricultura.

Em novembro passado, uma delegação italiana formada pelo senador Paolo Di Castro, ex-titular do Ministério de Políticas Agrícolas, Alimentares e Florestais da República Italiana e pelo presidente da União de Importadores e Exportadores de Carnes e Derivados da Itália (Uniceb), Renzo Fossato, esteve em Santa Catarina, encaminhando ações para o fechamento do negócio.

Nos primeiros encontros, em 2007, foram discutidos o sistema de identificação dos bovinos e o atendimento aos procedimentos sanitários da União Européia para a exportação de bezerros de corte de 6 a 8 meses de idade para aquele continente.

A Itália importa mais de 1 milhão de bezerros por ano de vários países. A delegação italiana confirmou a intenção de comprar até 150.000 terneiros por ano de Santa Catarina, iniciando com 50.000 em 2009. A preferência é por gado das raças européias, especialmente charolês e limousin.

O presidente da Faesc explica que o criador catarinense não tem tradição de criar bezerros machos, preferindo abatê-los logo após o nascimento. Isso ocorre porque o leite que o bezerro consome para seu crescimento tem valor econômico maior que a carne que produziria. Por isso, os bezerros serão vendidos com 6 a 8 meses, com peso de 200 a 300 kg e embarcados para a Itália onde serão terminados em processo de engorda e abatidos para produção de carne.

Por: Marcos A. Bedin
MB Comunicação
Assessoria de Imprensa
(49) 3323-4244, (49) 9967-4244
mb@mbcomunicacao.com.br

Blog Widget by LinkWithin

6 comentários:

  1. Os italianos estão sendo muito dramáticos. Battisti tem um valor político para eles, mas começar a cancelar acordos e outras coisas não-políticas por causa disso já é demais não? Eles estão confundido as coisas e tomando medidas perigosas, que podem afetar a relação Brasil-Itália. Os países são parceiros e devem manter-se fiéis as parcerias. O caso Battisti é político e deve ser resolvido pelos governos de cada nação. Não podemos misturar as coisas. Nós só teremos a perder.

    ResponderExcluir
  2. VIVA LA REVOLUCÍON!

    Bando de imbecis.

    Resta aos produtores processarem o Estado. Vai ser difícil, mas pelo menos vai fazer o pessoal pensar duas vezes.

    ResponderExcluir
  3. Oi, Seu Luiz!

    Fico indignado do governo brasileiro dar asilo político para o Cesare Battisti, sendo que o cara é acusado desses crimes e merece ser julgado no seu país de origem. Desse jeito estamos dando recibo de país corrupto que protege criminoso.

    Abraço

    ResponderExcluir
  4. Oi Seu Luiz

    Vi seu link no Blog Pensamentos Urbanos e vim conferir o poste. Aqui na Italia, a pressao esta sendo grande contra o Brasil. Infelizmente è uma pena que o Brasil defenda tanto Battisti e infelizmente a Italia esta usando as armas que possui. E no final a corda arrebenta pro lado mais fraco... os empresarios e produtores brasileiros que precisam do comercio internacional. Vamos ver se essa historia tera um final feliz.

    ResponderExcluir
  5. Olá Cris,
    Grato pela visita e pelo comentário. Você tem toda a razão nesta briga toda quem sai perdendo são os pequenos produtores. Acho que o governo brasileiro errou mas a Itália tem outros meios para resolver este conflito esta retaliação comercial não é o mais adequado. Só nos resta torcer mesmo.
    Abraços

    ResponderExcluir
  6. Nel'77 eu estava lá, dissidente, perdido cão, Vamos nos encontrar, eu tenho uma boa memória e não tenho um par de perguntas e respostas para o Sr. Cesare Battisti, se alguém os mandou para ele.

    Brasil sabe que os terroristas não italianos nunca levou um attaque contra a Máfia ou a Camorra, mas isso é história alianças na prisão e de logística, especialmente quando falamos sobre a Coluna Senzani ou a NAP?

    Quem foi com a lógica da a ruptura, da "tanto pior, melhor"?
    A jovem Itália democomunista do '70s ou a "heróica" revolucionários que, para "ajudar o povo", fogo e matar o melhor, não o pior, como Moro, ou Casalegno ou D'Antona?

    Tem sido cada vez perguntou, Senhor Battisti, como ele iria se alguns milhares de pessoas (comunistas), não tinham tido o capricho de arraste no sangue e violência em um movimento (radicais), que representou uma geração inteira?


    E 'por isso que pessoas como você, Battisti, deve pagar por ter deliberadamente arrastado uma nação inteira para o abismo do seu ódio.

    Queira desculpar o meu mau Português.
    Espero que Brasilani estão melhor informados e refletir mais.
    Atenciosamente, cordiali saluti.

    http://minimamoralia.blog.lastampa.it/minima_moralia/2009/02/lettera-a-cesare-battisti.html

    http://www.sottolalente.net/

    ResponderExcluir

Deixe aqui seu recado.

Recomendo

  • Projeto Valença Troca Livros - Aguardem! Em novembro! Vem aí o *"Projeto Valença Troca Livros"* Sem custo algum, apenas doação, amor. Já tenho alguns livros *livros* para serem trocados...
    Há um dia
  • - Cheiro de Goiaba - Mais uma participação da escritora, historiadora *Urda Alice Klueger, *Comentando o seu primeiro dia de aula, na Rua da Glória antiga Escola São José, e q...
    Há uma semana
  • - Noite da Família no Clã! No sábado a noite (13/05) foi realizado uma noite super especial com todas as Mães e familiares do Clã, onde rolou bolos e salgad...
    Há 5 meses
  • -

Arquivo do Blog