19 de junho de 2009

Depoimento: " Eu matei Euclydes da Cunha" – parte final

Com este post encerramos o artigo Depoimento: " Eu matei Euclydes da Cunha" onde, Dilermando de Assis, narra em detalhes ao jornal Diário de São Paulo, entre agosto e outubro de 1949, como matou Euclydes da Cunha. Assim descreve Dilermando os detalhes do crime:

Eram mais ou menos dez horas da manhã de domingo, 15 de agosto de 1909. Estávamos tomando o café da manhã na sala de jantar. Eu, dona Anna, Dinorah meu irmão e Sólon, filho de Euclydes e dona Anna, que ali pernoitara. Luiz, o caçula do casal, de pouca idade, também estava sendo alimentado. Finda sua refeição Dinorah levantou-se, se dirigido à sala da frente, para apanhar cigarros.

Pouco depois regressava, a fim de comunicar-me que Euclydes da Cunha se achava no portão, batendo. Disse-lhe então que o fizesse entrar para salas de visitas, enquanto iria a meu quarto vestir a túnica, pois me achava em manga de camisa.

Estava eu no meu quarto quando simultaneamente com o ruído de seus passos rápidos em direção ao meu quarto, ouvi Euclydes pronunciar bruscamente – Vim para matar ou morrer! Só tive tempo de perguntar – Que é isso, doutor? Desfechou-me Euclydes um tiro, atingindo-me na virilha direita, vociferando: – Bandido!Desgraçado!Mato-os…

Num gesto rápido desfechou-me o segundo tiro, este em pleno peito, que me fez cambalear, retroceder e cair dentro do quarto. Dinorah, que o acompanhara da sala e o vira sacar o revólver correu em direção ao seu quarto, naturalmente para amar-se. Nesta ocasião, Euclydes, perseguindo-o de perto, fez pontaria e alvejou-o de perto, fez pontaria e alvejou-o a queima roupa, na nuca, aos meus olhos.

Vendo meu irmão ferido pelas costas e perseguido por um agressor feroz, ergui-me e apanhei meu revólver. Euclydes desfechou-me mais um tiro, produzindo-me grande equimose na altura de uma das costelas direitas. Então, somente aí, várias vezes ferido, alvejei-o diretamente.

Em outubro de 1909, minha prisão foi decretada pela autoridade competente. De agosto a outubro, sofri coação ilegal e injusta, mantido sob incomunicabilidade e impossibilitado de defender-me.”

Leia também:

Depoimento: " Eu matei Euclydes da Cunha"

Fonte de pesquisa: Nosso Século, Abril Cultural, 1980

Blog Widget by LinkWithin

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe aqui seu recado.

Recomendo

  • Projeto Valença Troca Livros - Aguardem! Em novembro! Vem aí o *"Projeto Valença Troca Livros"* Sem custo algum, apenas doação, amor. Já tenho alguns livros *livros* para serem trocados...
    Há 5 dias
  • - Cheiro de Goiaba - Mais uma participação da escritora, historiadora *Urda Alice Klueger, *Comentando o seu primeiro dia de aula, na Rua da Glória antiga Escola São José, e q...
    Há 2 semanas
  • - Noite da Família no Clã! No sábado a noite (13/05) foi realizado uma noite super especial com todas as Mães e familiares do Clã, onde rolou bolos e salgad...
    Há 5 meses
  • -

Arquivo do Blog