22 de setembro de 2010

A manutenção dos castelos

A infância é realmente uma construção de sonhos, de ilusões. A vida, para as crianças, é feita de castelos e fantasias. A felicidade total está na perspectiva de alcançarem a idade adulta e então fazerem tudo o que querem: não tomar mais banho, como diz meu filho, comer todos os chocolates e sorvetes possíveis, comprar brinquedos indefinidamente, não ter mais pai ou mãe para obedecer,

estudar somente quando estão com vontade, ter o maior chulé do mundo, só assistir televisão, dormir até bem mais tarde, não ter horário para nada, ir nos locais mais fundos da piscina mesmo sem saber nadar, arrotar e flatular na mesa sem censuras, entupir-se de pizza e cheese burger e por aí vai. A lista pode ser infindável!

Crescer e ser “gente grande” é um dos ideais da infância que embute em si mesmo toda uma perspectiva positiva quanto ao que consiste ser uma pessoa adulta. O mundo dos adultos é um mundo perfeito, é o palco da justiça, da ética e da liberdade.castelo

Imagino o quanto as crianças nos colocam num pedestal ... nós, pais, principalmente. Somos poderosos para eles: sabemos tudo, não erramos nunca, temos a sapiência de sempre discernir as atitudes corretas e as negativas. Como se não bastasse isso somos o protótipo dos mais nobres ideais e valores: honestos, trabalhadores, leais, solidários, altruístas, estudiosos, asseados, sem preguiça, saudáveis e ainda por cima, lindos de morrer. Somos sempre os melhores em tudo! ... até chegar a adolescência deles, momento em que a nossa máscara vai sendo tirada e começamos a ser vistos como pessoas “normais”, cheias de defeitos. As instituições passam a ser questionadas, tudo é passível de ressalvas e de “graves defeitos”. A princípio, são contra, talvez mais para tentar dar consistência à própria identidade, ávida de sedimentar-se frente os senões adultos.

De qualquer forma, por mais que o adolescer vire uma página importante de desmonte de “castelos”, o livro não se fecha. Nos tornamos adultos, pretensamente caímos na “real” mas não cansamos de nos decepcionar com as pessoas, as instituições, o sistema econômico, os jogos de poder e conosco mesmo. As ilusões permanecem. Por quê tudo têm que continuar sendo tão perfeito no nosso imaginário e ao mesmo tempo tão inviável? Será uma sabedoria transcendental, inerente aos mistérios, que torna necessária a manutenção dos sonhos infantis na cabeça de todos nós para que possamos suportar a crueza do viver?

Será que a maturidade da velhice nos brindará com a virtude de esperar de tudo tão pouco como se fosse tudo?

Por: Návia T. Pattussi/Psicanalista/naviat@terra.com.br

Fonte: MARCOS A. BEDIN

MB Comunicação Empresarial/Organizacional

mb@mbcomunicacao.com.br

Blog Widget by LinkWithin

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe aqui seu recado.

Recomendo

  • Projeto Valença Troca Livros - Aguardem! Em novembro! Vem aí o *"Projeto Valença Troca Livros"* Sem custo algum, apenas doação, amor. Já tenho alguns livros *livros* para serem trocados...
    Há 5 dias
  • - Cheiro de Goiaba - Mais uma participação da escritora, historiadora *Urda Alice Klueger, *Comentando o seu primeiro dia de aula, na Rua da Glória antiga Escola São José, e q...
    Há 2 semanas
  • - Noite da Família no Clã! No sábado a noite (13/05) foi realizado uma noite super especial com todas as Mães e familiares do Clã, onde rolou bolos e salgad...
    Há 5 meses
  • -

Arquivo do Blog