19 de agosto de 2009

Milho: Área plantada despenca em SC

Com isto a  importação subirá a 3 milhões de toneladas em 2010.

A área plantada com a cultura de milho nas regiões mecanizadas de Santa Catarina cairá 50%, criando o maior déficit da história agrícola e gerando a necessidade de importação de até 3 milhões de toneladas desse grão, em 2010. A avaliação é do vice-presidente da Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de Santa Catarina (Faesc), Enori Barbieri.

Essa situação deriva, em parte, da falta de uma política agrícola consistente para sustentação de preços no sul do país. A conseqüência mais grave, além do empobrecimento da família rural, é o afastamento do sistema agroindustrial catarinense que vai, aos poucos, migrando para o Brasil Central e outras regiões com maior oferta de grãos. “Nesse cenário, soa trágica a recente decisão do governo em cortar o crédito do ICMS na importação de milho”, observa o vice-presidente.

O milho, insumo fundamental para as vastas cadeias produtivas de frangos, suínos e leite, é cultivado em 815.000 hectares que produzem 4 milhões de toneladas por ano, numa média de produtividade de 50 sacos/hectare. Nos anos de normalidade de produção, Santa Catarina importa 2 milhões de toneladas para abastecer o vasto sistema de produção agroindustrial.

Com a decisão dos produtores de áreas mecanizadas, onde há maior produtividade, em reduzir 50%, a Faesc calcula que a área total cultivada no Estado (incluindo as lavouras não mecanizadas) ficará em 30% menor.

Os produtores rurais vão migrar do milho para a soja, que oferece custo 50% menor e remuneração maior, 40 reais a saca. Por isso, para as agroindústrias, 2010 será um ano difícil, prevê o dirigente.

Em 2008, o preço do milho não gerou renda aos produtores: apesar da queda de produção em consequência da seca,o preço se manteve baixo (17 reais a saca), pouco acima do preço mínimo fixado em R$ 16,50 a saca. Pouca produção e preço baixo potencializaram o prejuízo, explica Barbieri.

O mercado praticou preços reducionistas porque havia um estoque de passagem de 2008/2009 de 12 milhões de toneladas. O ano vai terminar com nova sobra de passagem 2009/2010 da ordem de 10 milhões de toneladas, porque as exportações de milho foram pífias em razão da situação cambial – dólar baixo e pouca competitividade do produto brasileiro no exterior.

Este cenário não deixa dúvidas: Santa Catarina terá que importar até 3 milhões de toneladas do Paraná, Mato Grosso e Paraguai, no próximo ano.

Fonte: Marcos A. Bedin
MB Comunicação
Assessoria de Imprensa
(49) 3323-4244, (49) 9967-4244
mb@mbcomunicacao.com.br

Blog Widget by LinkWithin

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe aqui seu recado.

Recomendo

  • Projeto Valença Troca Livros - Aguardem! Em novembro! Vem aí o *"Projeto Valença Troca Livros"* Sem custo algum, apenas doação, amor. Já tenho alguns livros *livros* para serem trocados...
    Há uma semana
  • - Cheiro de Goiaba - Mais uma participação da escritora, historiadora *Urda Alice Klueger, *Comentando o seu primeiro dia de aula, na Rua da Glória antiga Escola São José, e q...
    Há 2 semanas
  • - Noite da Família no Clã! No sábado a noite (13/05) foi realizado uma noite super especial com todas as Mães e familiares do Clã, onde rolou bolos e salgad...
    Há 5 meses
  • -

Arquivo do Blog