16 de novembro de 2009

Erva-mate ajuda a perder peso

A erva-mate (Ilex paraguariensis) é uma árvore da família das aquifoliáceas, originário da região subtropical da América do Sul, presente no sul e centro oeste do Brasil, norte da Argentina, Paraguai e Uruguai. Os indígenas das nações Guarani e Quíchua tinham o hábito de beber infusões com suas folhas. Hoje em dia este hábito continua popular nestas regiões, consumido como chá quente ou gelado (muito popular na região sudeste do Brasil), ou como chimarrão no sul do Brasil, principalmente nos estados do Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná, no Uruguai e na Argentina. É também consumido como tereré, em alguns estados brasileiros como o Mato Grosso do Sul, além do Paraguai. A palavra mate deriva do quíchua matty que designa a Cuia ou seja, o recipiente onde o chá é preparado.

Agora um estudo desenvolvido por pesquisadores do curso de Nutrição da Universidade do Vale do Itajaí (Univali), no estado de Santa Catarina, sugere que o consumo de erva-mate ajude na perda de peso e gordura no fígado, aumento da taxa de HDL (bom colesterol) no sangue e diminuição da taxa de glicemia. Para a pesquisa foram estudados 36 ratos adultos, da linhagem (raça) Wistar, que possuem características fisiológicas parecidas com as do ser humano.mate200


O estudo conclui que a erva-mate comercializada para fabricar o chimarrão pode ter papel cardioprotetor. Em relação às taxas de LDL (mau colesterol) e colesterol total, não ocorreram reduções. Segundo os pesquisadores, um dos efeitos benéficos constatados (perda de peso) pode ser atribuído à substância cafeína, que promove, no organismo, o efeito lipolítico (uma espécie de quebra de gordura), além de elevar o gasto de energia pelo organismo (taxa de metabolismo basal).


O resultado é uma boa notícia aos apreciadores da erva-mate. No Brasil, a média anual de ingestão, é de 1,2 quilos por pessoa. Como a tradição de tomar chimarrão e tererê é mais forte nos estados do Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná e Mato Grosso do Sul, alguns indivíduos bebem isso em uma semana. Os pesquisadores advertem, no entanto, que, apesar dos resultados serem favoráveis ao consumo da erva-mate, a forma como é realizada a ingestão pode não ser a ideal para a saúde humana. No caso do chimarrão, a bebida é consumida quente numa temperatura média de 80ºC. Com isso, a população do Rio Grande do Sul, campeã no consumo de chimarrão, também lidera o índice de incidência de câncer de esôfago no país. O costume de tomar chimarrão em temperaturas fora do recomendável é um dos principais motivos.

Os pesquisadores da Univali relacionam as propriedades terapêuticas ao alto conteúdo de derivados de ácidos caféicos. Estes ácidos e os seus derivados têm exibido propriedade antioxidante em sistemas químicos e biológicos. "É possível que o mate seja um importante condutor de antioxidantes (substâncias capazes de impedir, reparar e reconstituir os danos causados pelos radicais livres nas células, como alteração da molécula de DNA - o que pode levar a mutação - processo de alteração na célula presente no câncer) pela capacidade de suprir os derivados de ácidos caféicos e outros polifenóis", aponta Sandra Soares Melo.


Muitos compostos polifenólicos (presentes também no vinho tinto, chá verde entre outros) têm sido relatados por exibir efeitos preventivos em diferentes sistemas de modelo animal e in vitro por afetar a fase de indução ou promoção da formação do câncer.


Segundo as pesquisas, estes compostos podem inibir a formação de tumores no estômago, cavidade oral e próstata, além de outros órgãos. Entretanto as concentrações utilizadas nos estudos com culturas de células seriam muito superiores àquelas encontradas in vivo e os mecanismos propostos para prevenção do câncer a partir de estudos celulares devem ser capazes de ter os mesmos efeitos demonstrados in vivo.


Testes de genotoxicidade (testa a possibilidade de uma substância ser tóxica ou proteger dos efeitos tóxicos ao DNA da célula) constituem parte importante da pesquisa do câncer para a avaliação de risco de possíveis carcinógenos e seus inibidores. O estudo avaliou o índice de polifenóis totais (substâncias com ação antioxidante) da infusão de erva-mate e seu potencial anti-genotóxico.


A utilização da erva-mate é antiga e remete aos tempos da colonização da América do Sul no século 16, quando os soldados espanhóis aprenderam a apreciar o chá da erva-mate por meio dos índios Guarany. Os historiadores contam que os colonizadores, acostumados a ingerir álcool até a exaustão, sofriam com tremendas ressacas, curadas pelo efeito da erva que ativava o fígado e auxiliava na cura do mal-estar.

Fonte: Univali

Blog Widget by LinkWithin

4 comentários:

  1. Será que tomar chá mate dá na mesma? Tomo muito!

    ResponderExcluir
  2. todo lo que sea medicina natural es perfecta ...

    ResponderExcluir
  3. muito bom saber disto, então vamos consumir mais mate

    ResponderExcluir
  4. lamento mais a internet esta lenta por aqui e vi so uma parte do vídeo ,abraços

    ResponderExcluir

Deixe aqui seu recado.

Recomendo

  • Projeto Valença Troca Livros - Aguardem! Em novembro! Vem aí o *"Projeto Valença Troca Livros"* Sem custo algum, apenas doação, amor. Já tenho alguns livros *livros* para serem trocados...
    Há 5 dias
  • - Cheiro de Goiaba - Mais uma participação da escritora, historiadora *Urda Alice Klueger, *Comentando o seu primeiro dia de aula, na Rua da Glória antiga Escola São José, e q...
    Há 2 semanas
  • - Noite da Família no Clã! No sábado a noite (13/05) foi realizado uma noite super especial com todas as Mães e familiares do Clã, onde rolou bolos e salgad...
    Há 5 meses
  • -

Arquivo do Blog