26 de dezembro de 2008

Osteoartrose de quadril pode ser conseqüência de outras doenças

Caracterizada como doença da articulação degenerativa que atinge com maior freqüência adultos de meia idade e idosos, a osteoartrose de quadril, algumas vezes não apresenta causa específica. Entretanto, na maioria dos casos, o problema é conseqüência de outras doenças, como defeitos congênitos do quadril, artrite reumátoide, necrose avascular da cabeça femoral, doenças ocorridas na infância e após traumatismo. A genética também pode ser considerada um fator de risco.

O médico ortopedista, Joaquim Reichmann, diretor da Clínica Reichmann, especializada em ortopedia e traumatologia explica que o problema se manifesta por um desgaste de cartilagem articular que de uma superfície absolutamente lisa harmônica transforma-se em uma superfície áspera e irregular. Os primeiros sintomas podem ser um leve desconforto na região inguinal, nádega, coxa ou mesmo no joelho ou alguma rigidez articular.Normalmente a dor fica mais intensa com atividade física e melhora com o repouso.

Com o passar do tempo, os sintomas tendem a se intensificar e a dor e a rigidez podem estar presentes mesmo em repouso. Quando a pessoa percebe que está com dificuldade de vestir as meias ou calçar os sapatos é sinal de que a cartilagem está cada vez mais fina e irregular e quando o tecido cartilaginoso se esgota, o movimento passa a acontecer osso com osso, o que é extremamente doloroso. Neste estágio, diminui sensivelmente a capacidade de movimentação dos quadris, tornando os movimentos limitados.

Segundo Reichmann, para realizar diagnóstico, é importante que o paciente relate os sintomas. Também é necessário realizar exame físico da articulação coxofemoral e radiografias que mostram alterações articulares podendo ser complementados com outros exames.

Programa de fisioterapia faz parte do tratamento inicial da osteoartrose de quadril.

“É preciso evitar esportes de alto impacto e dar preferência para atividades físicas moderadas na piscina como natação ou hidroginástica e/ou bicicleta ergométrica sem carga”, declara Reichmann. Evitar carregar peso, subir escadas ou ladeiras e ingerir antiinflamatórios não esteróide também fazem parte do tratamento.

Em estágios avançados da doença, quando a dor é intensa e há diminuição da mobilidade do quadril é indicado o tratamento cirúrgico. Em alguns casos, a cirurgia indicada é osteotomia por videoartroscopia, mas na maioria das vezes, a artroplastia total do quadril é a cirurgia de eleição e consiste na substituição da articulação por uma prótese. Este procedimento elimina a dor e devolve a mobilidade da articulação.

“Os cuidados são os mesmos do tratamento não cirúrgico, pois o sucesso e a duração da vida útil da prótese depende dos cuidados pós-operatórios recomendado pelo médico”, observa Reichmann.

Por:
Marcos A. Bedin
Registro jornalista profissional MTb SC-00085-
JPMB Comunicação
Assessoria de Imprensa(49) 3323-4244, (49) 9967-4244mb@mbcomunicacao.com.br
Av. Getúlio Vargas, 870-N, sala 89801-901 Chapecó (SC)
Blog Widget by LinkWithin

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe aqui seu recado.

Recomendo

  • Projeto Valença Troca Livros - Aguardem! Em novembro! Vem aí o *"Projeto Valença Troca Livros"* Sem custo algum, apenas doação, amor. Já tenho alguns livros *livros* para serem trocados...
    Há 6 dias
  • - Cheiro de Goiaba - Mais uma participação da escritora, historiadora *Urda Alice Klueger, *Comentando o seu primeiro dia de aula, na Rua da Glória antiga Escola São José, e q...
    Há 2 semanas
  • - Noite da Família no Clã! No sábado a noite (13/05) foi realizado uma noite super especial com todas as Mães e familiares do Clã, onde rolou bolos e salgad...
    Há 5 meses
  • -

Arquivo do Blog