17 de abril de 2011

Entre a dúvida e a certeza

Hugo Chaves considera que o “bem” para o povo do seu país é ser governado por ele próprio levando, dessa forma, a todos, a revolução bolivariana, calcada nos princípios do socialismo, da forma como o interpreta. Só assim todos serão felizes, de acordo com os critérios dele, é claro.

Para a religião, não importa de qual tipo, há um ideário de valores que preconizam o que é o certo e o errado, um sistema de referencias e crenças, absolutamente inquestionáveis. Quem não concorda, que vá procurar outra turma. Assim pode ser também em relação à preferência por determinado time de futebol ou partido político. Também essa postura “religiosa”, isto é, dogmática, pode ser utilizada em relação a uma teoria científica, crença, um amor, etc. O dogma é a certeza absoluta e inquestionável; não há espaço para a dúvida, a diferença. O ideal, nesses casos, é a igualdade de concepções e atitudes.

No fundo, temos uma tendência a eliminar a diferença ou pelo menos evitar percebê-laDuvCert. O diferente incomoda; perturba ver alguém com orientação sexual diversa da estabelecida socialmente, outro com problema físico ou mental, etc. A divergência de idéias, sentimentos, percepções, opções, tende a causar desconforto e brotar qualquer sorte de insuficiências. Viver na dúvida parece ser algo a ser evitado e a busca da certeza ou, mais do que isso, viver numa suposta certeza é o que, a princípio, pode nos confortar e aquietar principalmente o sentimento de desamparo e as inseguranças quanto a sentir-se aceito ou amado pelo outro.

Porém, o paradoxal disso tudo é que as descobertas da ciência, o aprofundamento dos sentimentos, a consolidação da maturidade brotam exatamente das incertezas, do que não é tido como certo e inexorável, das diferenças das percepções. A dúvida possibilita a abertura, a conquista de novos horizontes ou saberes. A certeza, o ponto final, fecha, limita e por isso nos aquieta como a tranqüilidade das águas perigosas.

A ancoragem na certeza pode decretar a falência de um relacionamento ou negócio, onde tudo já está supostamente conquistado e definido, tolhe a ampliação de um campo de saber, assim como limita os horizontes do prazer, pois restringe a exploração de outras possibilidades. Ah, a dúvida! Através dela é possível outra vivência: a da conquista, a do esforço no alcance de algum ideal, a construção de uma nova história, a busca por certezas, que por certo existem somente na nossa imaginação.

A dúvida pode ser uma usina de criatividade nos campos afetivos, sociais, econômicos, culturais e de toda a ordem. A dúvida como combustível, emissora de interrogações e de abertura de possibilidades!

Por: Návia T. Pattussi/Psicanalista/naviat@terra.com.br

Fonte: MARCOS A. BEDIN

MB Comunicação Empresarial/Organizacional

mb@mbcomunicacao.com.br

Blog Widget by LinkWithin

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe aqui seu recado.

Recomendo

  • Projeto Valença Troca Livros - Aguardem! Em novembro! Vem aí o *"Projeto Valença Troca Livros"* Sem custo algum, apenas doação, amor. Já tenho alguns livros *livros* para serem trocados...
    Há 4 dias
  • - Cheiro de Goiaba - Mais uma participação da escritora, historiadora *Urda Alice Klueger, *Comentando o seu primeiro dia de aula, na Rua da Glória antiga Escola São José, e q...
    Há 2 semanas
  • - Noite da Família no Clã! No sábado a noite (13/05) foi realizado uma noite super especial com todas as Mães e familiares do Clã, onde rolou bolos e salgad...
    Há 5 meses
  • -

Arquivo do Blog