6 de junho de 2012

Depressão: A crueldade consigo mesmo

Segundo dados oficiais publicados pelo Ministério da Previdência, no ano de 2010, depressão foi o quarto motivo de afastamento do trabalho, sendo que o primeiro, dor nas costas, o segundo, dor nos joelhos e o terceiro, hérnia inguinal (problema de coluna). Esses dados são referentes a licenças de saúde com duração superior a quinze dias.

Se considerarmos os três primeiros motivos como dores, teremos a depressão como o segundo motivo de afastamento do trabalho. Aventando a hipótese de que essas dores sejam crônicas, isto é, dores que se mantém alem de três meses, estudos apontam que geralmente estão relacionadas a implicações emocionais, comumente de ordem depressiva. Concluindo esse raciocínio, é plausível considerar que os quadros depressivos estejam no topo da lista dos motivos de afastamento do trabalho.depre

Dados da Organização Mundial de Saúde mostram que a depressão é a primeira causa de incapacidade entre todos os problemas de saúde, no mundo. A demonstração de incapacidade é um dos sintomas mais evidentes nesses quadros, juntamente com a falta de ânimo, carência de sentido na vida, embotamento do potencial intelectual, afetivo, social e sexual. Enfim, sobressai-se uma crueldade em relação a si mesmo de proporções alarmantes, como diz Hassoun na obra “A crueldade melancólica”. O depressivo não precisa de inimigos, pois ele é o maior inimigo de si mesmo.

A frequência desse quadro cínico beira à epidemia. Pesquisadores da área da psicanálise e da história, como a francesa Elizabeth Roudinesco em seu livro “Por que a psicanálise” sugerem que vivemos numa “sociedade depressiva”, onde o sofrimento emergencial da sociedade ocidental se manifesta sob a forma da depressão. Curiosamente o termo “depressão” foi cunhado pela psicopatologia a partir da Economia, que designa uma medida de alta ou baixa no mercado financeiro, tendo como referência que a alta deve prevalecer.

Construiu-se um ideário absurdo de que pega mal entristecer-se, estar “em baixa”. O mínimo sinal já é tomado como alarmante colocando nesse “saco” diagnóstico de depressão, muitas vezes casos de uma tristeza necessária a quem está passando por situações de perda.

Vocês sabem que a experiência do sofrimento é constituinte do ser humano, não há como não sofrer, simplesmente por que não temos como satisfazer plenamente os nossos desejos. O conflito é resultante do descompasso entre os nossos desejos e o que é valorizado ou não, permitido ou proibido pelas normas sociais e valores de uma determinada sociedade num momento histórico localizado.

Uma das alternativas do aparelho psíquico para fazer frente a essa lógica é deprimir-se, anestesiar-se quanto aos próprios desejos, morrer em vida, sepultando anseios e planos. Saída absurda, podemos pensar! Por que alguns se instalam nessa crueldade absoluta em relação a si mesmo e outros não, é assunto para continuarmos conversando. Até! Návia T. Pattussi/Psicanalista/naviapattussi@gmail.com

Fonte: MARCOS A. BEDIN

MB Comunicação Empresarial/Organizacional

mb@mbcomunicacao.com.br

Blog Widget by LinkWithin

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe aqui seu recado.

Recomendo

  • Projeto Valença Troca Livros - Aguardem! Em novembro! Vem aí o *"Projeto Valença Troca Livros"* Sem custo algum, apenas doação, amor. Já tenho alguns livros *livros* para serem trocados...
    Há 4 dias
  • - Cheiro de Goiaba - Mais uma participação da escritora, historiadora *Urda Alice Klueger, *Comentando o seu primeiro dia de aula, na Rua da Glória antiga Escola São José, e q...
    Há 2 semanas
  • - Noite da Família no Clã! No sábado a noite (13/05) foi realizado uma noite super especial com todas as Mães e familiares do Clã, onde rolou bolos e salgad...
    Há 5 meses
  • -

Arquivo do Blog